A Característica Própria da Luta das Mulheres

Nos últimos anos o Dia Internacional de Luta das Mulheres em Porto Alegre, tem sido marcado por abranger pautas mais genéricas que afetam toda a população. Porém o feminismo precisa junto as pautas que escolher reivindicar, focar nas especificidades que as mulheres enfrentam.

O contexto político sempre vai afetar direta e duramente a vida das mulheres, através de leis, das estruturas sociais, relações de trabalho, políticas e infraestruturas deficientes para atenderem os problemas específicos de mulheres e pelo discurso presente. Como a estrutura é patriarcal, fundamentada na perspectiva de dominação masculina – e isso ocorre em todo canto do mundo- o que nós mulheres enfrentamos como consequência dessa ordem, são as violências específicas contra mulheres, os direitos negados e usurpados, negligência à nossa saúde, nossas vidas sob controle no mais íntimo de nossos seres. As formas diversas de como nós mulheres somos atacadas pelas violências masculinas tem um significado de violência bem específico – estupros, espancamentos, abusos, controle, ameaças, perseguição, feminicídio. Dizer não, pode ter como resposta uma agressão ou assassinato. O que significa igualdade quando tal direito básico humano é negado? O que significa autonomia quando nem mesmo uma escolha sobre si mesma é respeitada? Para nós mulheres o conceito de direitos humanos e autonomia têm completamente outra concepção da dos homens. Nossa percepção destes conceitos é diferente da percepção dos homens, não sabemos o que significam direitos humanos e autonomia do ponto de vista masculino. Para nós direitos humanos são aquilo que os homens já têm. Para nós, direitos humanos são os direitos concedidos aos homens – por homens. Não são todos os homens que têm os mesmos direitos, mas todos têm direitos diferentes de mulheres por serem homens. Por isso Igualdade de Gênero significa para o feminismo termos direitos que são apenas garantidos aos homens. Verdade é que o feminismo luta por abolir o conceito de gênero, porque nele estão incutidos os papéis desiguais entre a classe masculina e a feminina. Isso difere porém, das políticas identitárias, que promovem a criação de vários gêneros sem no entanto solucionar o problema dos estereótipos de gênero, que pelo contrário, são reforçados quando se assumem símbolos de feminilidade e masculinidade para suas autodefinições. A ressignificação do termo gênero acaba dando continuidade a negação dos direitos das mulheres quando rejeita, despreza ou minimiza a realidade biológica. Muitas vezes nossa luta é apropriada por setores que se consideram progressistas ou revolucionários. O que o feminismo diz é que gênero é a noção de que as mulheres são subalternas aos homens, é a divisão dos dois sexos em dois gêneros para garantir a supremacia masculina. Dividir em diversos gêneros os dois sexos não elimina a divisão sexual na sociedade que abrange todas esferas sociais.

A luta feminista não pode perder sua especificidade, se diluir até o ponto que perca seu sentido de existir- a não ser que não se precise mais dela.

Quando as pautas do Dia Internacional de Luta das Mulheres são genéricas sem enfatizar na diferenciação do que é ser mulher de ser homem na sociedade, a gente acaba contribuindo com o princípio de que a nossa luta é de segunda ordem. Não podemos reproduzir o desprezo das nossas realidades, pois é desprezar nossa existência.

É importante que se a gente fala em saúde a gente fale em saúde da mulher, não porque a gente não queira saúde pra todo mundo, mas porque a saúde não é absolutamente nem um pouco igual para homens e mulheres. O aborto é uma questão de saúde pública, e somos nós as mulheres que somos punidas ou mortas em decorrência da criminalização do aborto. No momento atual, o lobby antiaborto procura criar constituições estaduais com o objetivo de acabar com o aborto legal – os três casos em que o aborto é permitido no país: em caso de risco de vida para a mulher, quando a gestação é resultante de um estupro ou se o feto for anencéfalo. Este é o próprio contexto político atual, se é para falarmos no contexto que estamos, é mais que pertinente que no Dia Internacional de Luta das Mulheres se destaque isso. O esforço em retirar o direito das mulheres ao aborto já legalizado é uma das maiores ameaças que metade da população está sujeita, – na verdade um pouco mais que metade, segundo dados do IBGE de 2018, 51,7% é a população de mulheres no país, enquanto a de homens é de 48,3%. Já no congresso as mulheres representam apenas 15%, onde a elaboração e aprovação de leis, incluindo as do aborto, são feitas majoritariamente por pessoas que nunca ficarão grávidas nas suas vidas – os homens. Ainda falando em saúde, as pesquisas médicas por serem focadas em homens resultam com que as mulheres tenham menos remédios e tratamentos desenvolvidos, o que por sua vez é um risco à saúde e à vida de mulheres. Há uma negligência aos problemas biológicos específicos das mulheres, assim como aos efeitos adversos e dosagens inadequadas, com consequências terríveis para mulheres. Obviamente que a reivindicação por saúde no Brasil, se refere principalmente às populações mais pobres, do acesso à saúde, porém uma coisa não exclui a outra, ou melhor, no caso das mulheres exclui, pois as mulheres mais pobres, a maioria negra, sofre com a intersecção destes fatores (incluído o de ser mulher).

Quando nós feministas falamos em empregos, temos que apontar que as mulheres ainda ganham menos que os homens, segundo levantamento do IBGE em média 20,5% menos. A pesquisa mostra também que as mulheres dedicam mais tempo aos cuidados de pessoas e afazeres domésticos, são 18,1 horas por semana, enquanto os homens dedicam 10,5 horas semanais. A dupla jornada de trabalho, além de indicar que as mulheres gastam mais tempo com o trabalho não remunerado, faz com que as mulheres aceitem trabalhos mais precários. É verdade também que por dedicarmos mais tempo ou tempo integral no cuidado das pessoas, que as condições de educação dos nossos filhos e de emprego dos homens da nossa família, assim como a saúde de todos estes, são importantes para nós. Mas no dia de luta das mulheres é imprescindível que se destaque como se dão as questões de emprego, saúde e de educação das mulheres.

É importante que o 8 de março sempre reforce o que significa ser mulher nos diversos âmbitos sociais. As pautas que o movimento feminista escolhe têm sempre que enfatizar bem definidamente o ponto de vista das mulheres na sociedade. De outra forma se parecem mais como pautas da esquerda masculina, a impressão que se tem é que quando se opta por uma forma mais genérica de abordagem é justamente para não causar nenhum desconforto aos homens. É compreensível já que o movimento feminista é constantemente atacado por várias frentes, tanto a direita como a esquerda confluem quando diminuem a relevância da nossa luta. É compreensível que diante a tantos ataques e retrocessos, as mulheres queiram o apoio dos homens que elas julgam estarem do seu lado, porém este apoio nunca deve ser buscado como algo primordial, os homens podem ser aliados sem que sejam protagonistas ou agraciados.

aline rod.

[Repost] Chegamos no Dia internacional da Mulher

Chegamos no Dia Internacional da Mulher
sem que saibam o que é ser uma
sem que saibam de onde vem nossa opressão
outros protagonistas mais uma presunção
chegamos no dia internacional da mulher
e não querem saber como chegamos aqui
nem como sobreviveram nossas antepassadas
terem nos gerado é irrelevância
melhor quando esquecidas na sua insignificância
chegamos no dia internacional da mulher
o que fizeram não pode ser lembrado
e antes que o conhecimento seja repassado
deem um jeito dele junto ao corpo ficar soterrado
chegamos no dia internacional da mulher
nosso engenho é renegado
nosso sangue é derramado
nosso útero é desprezado
mas tem valor para ser alugado
chegamos no dia internacional da mulher
e ser mulher é uma roupa
ou fetiche
uma sensação matinal
que pode mudar no meio da tarde
ao estender uma roupa de baixo no varal
chegamos no dia internacional da mulher
e nosso corpo é tabu
é “biologia terf”
é biomedicina
é experimento
é xyz com vitamina
chegamos no dia internacional da mulher
e eles são comemorados
e o homem neste dia é situado
para garantir que ele sempre seja o primeiro colocado
chegamos no dia internacional da mulher
e nosso futuro é incerto
nossa esperança é abalada
mas quem se importa com gente desatualizada
chegamos no dia internacional da mulher
e a mais antiga opressão chamam de profissão
é capital é diversão
o poder tá na mão
o prazer está na exploração
chegamos no dia internacional da mulher
ela tá tentando escapar mas ninguém a nota
a quem interessa afinal
é só mais uma mulher morta
chegamos no dia internacional da mulher
o dia da arca de noé não esqueçam
é dia de salvar todas espécies que apareçam
porque afinal hoje é o dia de quem quiser

aline rod

Escrito e publicado pela primeira vez em março de 2018. http://acaoantisexista.tk/chegamos-no-dia-internacional-da-mulher/

Dia Internacional de Luta das Mulheres – Atividades em Porto Alegre

Aviso da FrePLA sobre as atividades pelo 8 de Março organizadas por diversos grupos de mulheres.

Dia 9, na segunda – feira, a Frente Pela Legalização do Aborto RS, estará presente na frente do Mercado Público junto a vários outros grupos de mulheres à partir das 14h. Estaremos distribuindo panfletos e conversando com a comunidade.

levarei material da Ação Anti Sexista e estarei junto ao gazebo da FrePLA.

Reunião Organizativa da FrePLA – 12Fev

A Frente Pela Legalização do Aborto RS informa:

Retomando em fevereiro nossos encontros mensais para seguirmos construindo uma frente que luta pelos nossos direitos sexuais e reprodutivos. Estamos vivendo numa época de retirada dos direitos que conquistamos e de impedimento para os direitos que ainda não alcançamos. A retirada de direitos aumenta a violência e o sofrimento de mulheres.

Traga suas ideias e suas questões – participe da nossa primeira reunião do ano!

Dia 12 de Fevereiro quarta-feira às 18:30h no Coletivo Feminino Plural – Andrade Neves 159 conjs 84 e 85 Centro Histórico POA

  • Reunião exclusiva para mulheres

Aberta a todas interessadas, não precisa ter participado previamente das nossas reuniões.

Reuinião Organizativa do 8 de Março – 29.01.20

Acontecendo hoje em Porto Alegre a segunda reunião organizativa do 8 de março deste ano.

Aberto para Mulheres e organizações de mulheres que tiverem interesse em participar da organização.

Reunião Organizativa pelo 8 de março de 2020 dia 29/01 às 18:30h na Rua da República 92.

O que rolou em 2019 aqui na Ação Anti Sexista

Se você quer ficar por dentro do que aconteceu aqui no blog em 2019 abaixo links para as postagens que escolhi pra você navegar com mais facilidade.

Comentário/Texto:

Arte/ Música/ Pensamento:

Calendário Feminista:

Notícia:

Que em 2020 a nossa luta avance!

4 bandas com vocalistas mulheres lançam o split Inflamar

No mês passado saiu o split Inflamar, que reúne 4 bandas de vertentes do crust nacional com vocalistas mulheres.

Atualmente existem muitas bandas com mulheres tocando no chamado underground brasileiro e mundial. Porém o meio ainda é bastante masculino, e isso não se restringe ao fato de ter mais bandas com homens do que com mulheres, mas das consequências que um espaço majoritariamente composto por homens implica.

Porém, além de ser resultante das oportunidades diferentes entre mulheres e homens em todos os âmbitos, a participação das mulheres neste meio é ainda por cima abafada, e ficamos com a sensação de estarmos em menor número do que na realidade. Parecem ser coisas que se contrapõem, mas o patriarcado é cheio de armadilhas. A nossa realidade é de que é absolutamente fundamental apontarmos que tal cenário é composto por uma enorme maioria de homens, e que isso precisa ser mudado, ao mesmo tempo que é determinante lembrarmos da presença e dos feitos das mulheres neste mesmo cenário. O reconhecimento do que nós mulheres fazemos é pequeno, quando existe. Não falo do reconhecimento como a necessidade de inflar o ego, mas como um reconhecimento de um trabalho, de um esforço, de uma criação. Além de que o reconhecimento serve também para encorajar outras meninas e mulheres.

A ideia de fazer um split com vocalistas mulheres surge justamente disso.

É certo que o punk e suas ramificações aglutinam muitas pessoas que questionam os padrões impostos socialmente, pois é da sua “natureza”, da sua origem, e por isso mesmo nós mulheres também queremos dar nosso recado, contribuir, participar, contestar. Aprendi muita coisa, conheci e sigo conhecendo pessoas inspiradoras, interessantes e amigáveis desde que eu comecei a tocar. Mas obviamente que as dinâmicas presentes no patriarcado se reproduzem na cena musical underground e punk, porque é composta afinal de pessoas, que vivem numa sociedade onde a ordem é patriarcal. Esta ordem pela sua própria estrutura causa uma exclusão das mulheres, principalmente nos setores de participação mais ativa e não somente de público. O termo ‘somente’ não tá sendo usado como minimizador. Outra armadilha do patriarcado, é procurar fazer com que nossas reivindicações e conclusões se virem contra nós, ou sejam um motivo de competição entre nós mulheres. Então se você diz que é importante criar condições para que as mulheres sejam ativas, há quem te pergunte “o que você tem contra as mulheres passivas?”. Como feminista posso dizer que estou bastante calejada em ter minhas palavras distorcidas e também posso dizer que as pessoas são previsíveis no seu antifeminismo. O que de fato acontece e o que estou dizendo, são que todas as estruturas do patriarcado são de variadas maneiras impeditivas para que meninas e mulheres toquem, produzam, trabalhem de forma geral no meio, mas até mesmo que sejam o público, com as particularidades que isso envolve.

O patriarcado é um sistema de opressão rígido contra as mulheres, específico. E o enfrentamos já quando muito pequenas. Mas ninguém te apresenta o patriarcado, olá fulana a partir de agora você vai ter que viver com este cara aqui, o patriarcado. Ah, prazer, obrigada. Porém ele se impõe a você em diversas formas. Para muitas de nós de forma implacável. Eu lembro de ter questionamentos muito cedo. Poderia ser considerado algo como instinto, você não sabe bem o que tá acontecendo, mas sabe que estes caminhos que lhe estão sendo oferecidos, têm algo de errado com eles, e não parece favorável segui-los.

Questione. Não se cale ou sucumba ao curso que lhe apresentam.
Torça, e lute se possível, para que todas um dia sejamos livres.

___

Pra motivar a vibe de luta segue a letra de uma das faixas gravadas pela No Rest:

Nem Sujeição Nem Apatia

Todos diziam a ela pra se conter
que seus sonhos eram muito altos pra uma menina
mas não eram sonhos que ela tinha, o que ela queria era uma realidade menos atroz
aquilo que é fácil pra um pode ser muito difícil pra uma
tentaram de várias formas tirar sua dignidade
nascia uma dor mas também uma busca por liberdade
sua independência jamais será negociada
palavras inúteis e motivos fúteis não têm vez para quem já sabe o que não quer
pra quem pegou a dor e a fez sua companhia
os pesares e os olhares de quem não quer compreender são o motor pra sua coragem e rebeldia
que de sujeição é que não pensou em viver
nem de apatia

link pro som https://soundcloud.com/no-rest/nem-sujeicao-nem-apatia

Segunda faixa da No Rest no split
https://soundcloud.com/no-rest/no-rest-abracando-o-fascismo

capa do cd – ilustração por Marcelo Dod diagramação do encarte por Nata

O split Inflamar conta com as bandas Manger Cadavre?, No Rest, Vasen Käsi e Warkrust. Cada banda gravou duas faixas. Você pode encontrar os sons online e em CD.

As 4 vocalistas: acima à esquerda Aline rodrigues da No Rest; acima à direita Nata Nachthexen da Manger Cadavre?; abaixo à esquerda Anne da Warkrust e à sua direita Mars Martins da Vasen Käsi

Blog da No Rest com mais informações, letras, áudios de som, fotos,etc. https://norest.noblogs.org/

“Replicar: Um Estuprador em Teu Caminho”

intervenção em Santiago no Chile

“Un violador en tu camino” é uma intervenção criada e performada pela primeira vez por feministas de Valparaíso no Chile, para denunciar a violência contra as mulheres. A intervenção foi escrita e elaborada pelo coletivo feminista “Lastesis”, que tem como objetivo transformar as teses feministas em performances, e com isso abranger mais pessoas. No dia 25 de novembro, Dia Pela Não Violência Contra a Mulher, 2000 mulheres se reuniram para protestar na capital de Santiago com esta intervenção. Em poucos dias a intervenção foi traduzida em várias línguas, adaptada aos contextos locais, e repetida em diversas partes do mundo, como no México, Alemanha, Colômbia, Argentina, Bélgica, Inglaterra, França, Espanha, El Salvador, Estados Unidos, Paraguai, República Dominicana, e Uruguai. A razão por ter se se espalhado prontamente com tanta intensidade ao redor do mundo, é porque todas nós mulheres nos identificamos com o que retrata a performance, pois mostra a realidade das violências específicas contra nós. “No caminho” de casa, do trabalho ou escola, no transporte coletivo, nas ruas movimentadas ou afastadas, numa balada, e mesmo dentro de casa, nós mulheres somos constantemente ameaçadas com a violência dos homens.

Os protestos feministas pelo fim da violência contra às mulheres, acontecem no Chile no meio das manifestações contra o presidente, que duram mais de um mês. Já foram contabilizadas quase 3 mil pessoas feridas e 23 mortos. “Un violador en tu camino” é um verso criado em cima do slogan policial chileno“Un amigo en tu camino”. Em outubro, feministas denunciaram estupros e violências sexuais cometidas por policiais e militares contra meninas e mulheres que estavam indo nos protestos.

Fechando os “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra a Mulher”, aqui em porto Alegre a intervenção também vai ser replicada.

No dia 7 de dezembro às 10h haverá o ensaio atrás do Auditório Araújo Viana, e a intervenção acontece no mesmo dia na frente do Largo Expedicionário às 11:30h.

Venha e convide suas amigas, irmãs e companheiras

Segue a letra pra gente tentar decorar até sábado!

O patriarcado é um juiz
Que nos julga por nascer
E nosso castigo
É a violência que não vês

O patriarcado é um juiz
Que nos julga por nascer
E nosso castigo
É a violência que se vê

Feminicídio
Impunidade para os assassinos
Pela agressão
Pelo estupro, violação

E a culpa não era minha
Nem onde estava, nem como vestia
E a culpa não era minha,
Nem onde estava, nem como vestia

E a culpa não era minha
Nem onde estava, nem como vestia
E a culpa não era minha,
Nem onde estava, nem como vestia

O estuprador és tu
O estuprador és tu

É a polícia
Os juízes
O estado
O presidente

O estado opressor é um macho estuprador
O estado opressor é um macho estuprador

O estuprador és tu
O estuprador és tu

Marielle Presente
O assassino dela é
amigo do presidente

O estuprador és tu
O estuprador és tu
O estuprador és tu
O estuprador és tu

——

A letra foi alterada no dia anterior da intervenção, e atualizada aqui dia 08.12

25/Nov – Dia Internacional Pela Não Violência Contra à Mulher

Dia 25 de novembro é dia Internacional
Pela Não Violência Contra à Mulher.

Seguem alguns dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, e informações que fazem parte da divulgação da atividade proposta pelo Comitê da Campanha em Defesa das Mulheres em porto Alegre:

[Em cada 10 feminicídios ocorridos no Brasil, 1 é cometido no Rio Grande do Sul;
Segundo pesquisa do Datafolha para a ONG Fórum Brasileiro de Segurança Pública, no último ano 1,6 milhões de mulheres foram espancadas ou sofreram tentativas de estrangulamento e em torno de 22 milhões foram assediadas, no Brasil;
Entre 2017 e 2018, os casos de violência contra as mulheres aumentaram em mais de 40% no RS;
No entanto, dos 496 municípios do Rio Grande do Sul somente 22 contam com Delegacia Especializada no atendimento à Mulher;
Porto Alegre, a capital do Estado, que deveria contar com 5 delegacias, tem apenas 1;
Em Novo Hamburgo, a Del. Especializada no Atendimento à Mulher, foi transformada em delegacia de vulneráveis.]

Cartaz de divulgação do Comitê, que convida para uma assembleia na esquina democrática às 15h, seguida de um ato com concentração às 17h:

___

Incluindo aqui os dados do Fórum referente a violência sexual que registraram 66 mil casos em 2018 no Brasil, são mais de 180 casos de estupro por dia – que se tem conhecimento. Segundo a pesquisa, apenas 7,5 % das vítimas notificam a polícia. Assustador e desolador.

Feminicídio, espancamento, tentativa de estrangulamento, assédio, abuso, violência sexual, são violências cometidas por homens contra nós mulheres, violências que estamos constantemente sob ameaça. Isto atinge profundamente quem somos, e como encaramos nosso dia a dia para nos mantermos vivas.

O dia 25 de Novembro marca o combate a violência contra à mulher. A nossa oposição e luta contra as violências que o patriarcado endossa contra nós mulheres, é crucial para a nossa libertação.