; charset=UTF-8" /> » poa

Posts tagged ‘poa’

Roda de Conversa Em Apoio A Nossas Irmãs Nicaraguenses – 20.08.18

‘Nos últimos quatro meses a Nicarágua tem vivido uma grave e violenta crise política, que expõe fortemente as contradições do governo autoritário de Daniel Ortega há onze anos no poder. Mas por quê essa é também uma pauta feminista? Além da solidariedade em si com uma rebelião que está sendo violentamente reprimida, é importante conhecer na história recente da Nicarágua o papel das organizações de mulheres e feministas, que tem sido das mais ativas em combater as violências estruturais de um país marcado pelo machismo extremamente arraigado. Estas ativistas vêm denunciando há anos o caráter ditatorial e misógino deste governo – responsável pela criminalização de qualquer forma de aborto em 2006 -, assim como denunciando publicamente a impunidade de Ortega frente a graves acusações de ter abusado sexualmente de sua enteada por duas década.
Nesta roda de conversa, Ana Marcela Sarria, feminista e pesquisadora nicaraguense residente no Brasil, estará contextualizando a/a situação atual da Nicarágua a partir da vivência das organizações de mulheres, abordando também a relação desta crise com a história herdada da Revolução Sandinista, que marcou o país na década de 1980.’

Dia: 20/08/2018, Segunda Feira
Horário: 19h
Local: Fora da Asa – na Cidade Baixa em Porto Alegre

Ato Pela Legalização do Aborto na América Latina – 08.08.18

 

No dia 8 de agosto será votado no Senado Argentino, após a aprovação pela Câmara, imposta pela força do movimento de mulheres, o projeto de Lei que legaliza o aborto e permite a realização do procedimento até a 14ª semana de gestação de forma legal, segura e gratuita. As mulheres do país vizinho preparam uma grande batalha para esta data.

Na América Latina, apenas o Uruguai, a Guiana Francesa, Cuba e a cidade do México tem legislação que garante o aborto legal. Com a nova postura da Argentina, a favor da decisão da mulher sobre seu próprio corpo, isso poderá ter impacto entre os vizinhos e pressionar pelo debate nos países da região, como o Brasil.

Todos os anos mais de meio milhão de mulheres abortam no Brasil. Por ser crime todas essas mulheres poderiam ser presas no país. Esta situação de clandestinidade acarreta na morte de milhares de mulheres, e são as mulheres pobres, negras e trabalhadoras mais precarizadas as que mais morrem devido aos procedimentos mais arriscados. Muitas mulheres que sobrevivem enfrentam sequelas físicas muitas vezes irreversíveis. É muito frequente que o aborto deixe também sequelas psicológicas nas mulheres como a depressão e outros transtornos psicológicos graves justamente por ser considerado crime e ser realizado sem acompanhamento profissional, de maneira precária e ilegal. O aborto é uma questão de saúde pública que não pode ser ignorada.

No Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba e São Paulo ocorrerão manifestações no dia 08, assim como em outras cidades da América Latina. É nossa tarefa ir às ruas em Porto Alegre em apoio à luta na Argentina e pela legalização do aborto no Brasil.

Todas à Esquina Democrática no dia 08 de agosto! É Pela vida das mulheres!

– Frente Pela Legalização do Aborto – RS

Ato Nacional É Pela Vida Das Mulheres – 03.08.18

Nos dias 03 e 06 de agosto o STF pautará em audiência a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 442, que trata da descriminalização do aborto.

Em várias cidades do país estarão ocorrendo atos e manifestações na sexta feira dia 03 de agosto, para firmarmos nossa posição contra a situação de criminalidade que se encontra mais de meio milhão de mulheres que abortam todos os anos. Lutamos em defesa da vida das mulheres, pois o aborto mata milhares de mulheres anualmente devido a clandestinidade e subsequente precariedade dos procedimentos.

Em Porto Alegre estaremos reunidas ás 17:30h na esquina democrática. Some-se a nós.

 

 

 

 

Registro do 2º Ato Nossa Hora de Legalizar o Aborto – POA

Pela descriminalização do aborto!
Aborto seguro legal e gratuito!

Nem Presas Nem Mortas!

Frente Pela Legalização do Aborto – RS /Porto Alegre 19 Julho 2018

Registro do Ato pela descriminalização/legalização do aborto – POA

Ato Nossa Hora de Legalizar o Aborto – Porto Alegre 22 Junho 2018

foto por Verlaine Lagni

 

Manifesto Pelo Aborto Legal, Seguro e Gratuito Já!

MANIFESTO PELO ABORTO LEGAL, SEGURO E GRATUITO JÁ!

O aborto é uma realidade na vida das mulheres no mundo inteiro e no Brasil não é diferente. A pesquisa nacional de aborto de 2016 diz que aproximadamente 1 a cada 5 mulheres de até 40 anos já abortou no Brasil. Porém como as mulheres abortam clandestinamente o número das que abortam, certamente é ainda maior.

O debate, portanto, não pode ficar em torno de ser a favor ou não do aborto. A questão é se vamos compactuar com que milhares de mulheres continuem morrendo por aborto clandestino e inseguro no Brasil. O aborto é uma questão de saúde pública, pois as mulheres morrem em decorrência da forma precária como os procedimentos são feitos. Além de arriscarem suas vidas, as mulheres também podem ser punidas, pois o aborto é crime no Brasil, algo que fere os direitos das mulheres.

As mulheres exigem seus direitos sexuais e reprodutivos respeitados e para isso precisam da liberdade de decidir sobre seus próprios corpos, a sua vida, sua dignidade e privacidade – seus direitos fundamentais dependem disso. A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 – CF/88 que institui o Estado Democrático de Direito garante esses direitos as mulheres, bem como diversas Convenções Internacionais que o Brasil é signatário dispõe sobre o direito e autonomia das mulheres

A OMS – Organização Mundial da Saúde – afirma que mais de 25 milhões de abortos acontecem anualmente no mundo, e mais de 90% desses abortos acontecem na África, Ásia e América Latina. Afirma ainda que a proibição não reduz o número de abortos, que pelo contrário, houve a redução de mortes de mulheres e gastos na saúde em países que legalizaram o aborto, pois quando o assunto deixa de ser tabu existe uma abertura para que sejam feitas conjuntamente campanhas educativas.

A Organização das Nações unidas – ONU explica que quando o aborto ocorre de acordo com as diretrizes e padrões da OMS, o risco de complicações ou de morte é insignificante. No Brasil a maior parte das mulheres criminalizadas e mortas por abortos clandestinos e inseguros são mulheres da classe trabalhadora, negras, do norte e nordeste, mas o aborto é uma realidade de todas as mulheres em todos os lugares do Brasil e do mundo.

Proibir e criminalizar mulheres por interromperem uma gestação indesejada viola seus direitos humanos. O Estado privar qualquer mulher de decidir sobre seu corpo, sobre sua vida, viola direitos constitucionais, e isso é um crime do Estado. Por isso lutamos por um aborto legal, seguro e gratuito no Brasil e no mundo, para que mulheres parem de morrer e tenham autonomia para decidir.

FRENTE PELA LEGALIZAÇÃO DO ABORTO – RS

Porto Alegre, julho de 2018.

2º Grande Ato Pela Legalização do Aborto – POA

Chamada Para o Ato do dia 19 de Julho!!

Mulheres de luta!
Nosso ato de 22 de junho foi lindo!
Irmanadas com mulheres de várias cidades e estados brasileiros, fomos milhares nas ruas, em defesa da autonomia de decisão sobre nossos corpos.
Agora estamos nos aproximando das datas das audiências do STF acerca da ADPF 442, que incide sobre a descriminalização do aborto em nosso país.
É chegado o momento de voltarmos ao espaço público para defendermos o aborto legal, seguro e gratuito!!

Venha para o Ato que acontece no dia 19 de Julho às 17h na Esquina Democrática!!

Frente Pela Legalização do Aborto – RS

 

28 de Setembro Dia Latino Americano e Caribenho de Luta Pela Descriminalização do Aborto – Relato

28 de Setembro de 2014.

8:00h.Telefono para a companheira: – Passo aí pra pegar o material?
– Passa
8:45h. Mensagem pra outra companheira: – Onde estão?
– Buscando os equipamentos, já vamos para a Redenção.
– Ok! Nos vemos lá.

As 9:05 começamos a descarregar e montar as estruturas, colocar as faixas, barbante, tesoura, pedra, martelo.

O gerador!
Precisa de quatro!
Não só duas dá!
Não, três!
Homem: – deixa que eu pego
– Não obrigada.
Ligamos o gerador, testamos o microfone. Tudo funcionando.
Canetas, pranchetas. Começamos a recolher assinaturas de apoio a causa. Começam a faltar folhas do abaixo assinado. – Vamos imprimir! Companheiras imprimem em suas casas. Trazem.

O sol já tá bem forte. Ainda bem pois a previsão era de chuva o dia inteiro.

12h preciso de um café.
12:30h nos revezamos para fazer lanche.
Calor.

Pessoas vem para conversar, apoiam, assinam. Pessoas discordam também.
Companheira no megafone. Pessoas curiosas param e prestam atenção.
Mais assinaturas.
Sede. Esqueci de tomar água.

Começam os gritos de luta! Pessoas curiosas param e prestam atenção. Mulheres se juntam e cantam junto. Mulheres sorriem. Mulheres conversam. Mulheres opinam. Mulheres vem e vão. E apoiam e nos sentimos bem. E nos sentimos vivas.

14h aula pública. Atrasou um pouco.

Desmonta tudo. Tira faixas, guarda as estruturas, carrega para o carro que vem vindo!
Ai por mim as estruturas ficariam aqui no parque para sempre….
Pranchetas e canetas ficam!
Mais assinaturas.

Mais ou menos as 15h saída para a marcha. No carro elétrico…
Coloca as faixas!
Mais gritos de luta!
Mulheres falam! Mulheres caminham, mulheres cantam.
Mulheres sorriem. E se entusiasmam.
Meu coração também.

Companheira quer descer! Companheira quer subir! O carro em movimento.
– Não pode
– Ok não faremos de novo.
Tudo indo bem. Ao mesmo tempo uma confusão boa! Nada muito certinho nem monótono.
Alguém me diz que o caminhão (trio elétrico) pode virar! Ai como assim?Não é nada só se lotar. Mas tem que cuidar. Tudo balançando mesmo…

Meu primeiro carnaval.

Seguimos mais um pouco.
Rimos mais um pouco. Ouvimos mais um pouco. Gritamos mais um pouco.
Chegamos.
Tira as faixas.
Desce.
Homem estende a mão -Não, obrigada.

Arrumamos nossas coisas. Juntamos tudo, esperamos umas as outras.Vamos embora.
Ainda não, alguém tem coisas para nos dizer…
Estamos cansadas. Conversamos.
Certo agora vamos embora.
Sentamos num bar.

A chuva cai.

E sorrimos.

 

 

 

Ações Feministas em POA – Mês de março mês de Luta

Informando algumas ações feministas importantes feitas na cidade de Porto Alegre no mês de luta das mulheres!

///Pelo dia 8 de março, as Mulheres Libertárias em Luta (coletivo formado por mulheres vindas de diferentes grupos) *mais uma vez modificaram os nomes de ruas por nomes de algumas mulheres que foram perseguidas, assassinadas e torturadas pelo regime militar na América Latina, trazendo este ano a memória dos 50 anos do golpe militar que não esqueceremos e não perdoaremos.

20140331_233442

20140331_225351

20140331_222824

 

Claudia Silva Ferreira também foi lembrada na ação por ter sido vítima da brutalidade da polícia militar cada vez mais acentuada nas favelas, Claudia foi baleada e arrastada pela viatura policial por 250 metros e não sobreviveu, no dia 16 de março deste ano.

20140331_230534

Também houve colagem pelas ruas da cidade deste cartaz!

20140315_005836

Nossos corpos não estão em Jogo!

//Na noite de 28 de março um grupo de mulheres entrou no Bar Opinião e pixou todo o banheiro, esta foi uma ação em solidariedade à Vanessa Ventura que foi agredida por um segurança desta casa noturna escrota. Vanessa entrou no banheiro com um amigo, ao sair da cabine ela viu um segurança ali dentro. Ela achou que o segurança iria reclamar com ela de ter entrado com o seu amigo, porém o que se sucedeu foi que o segurança pôs a mão por baixo da saia dela, ela reagiu e deu um tapa no segurança que segurou a cabeça dela e bateu contra a parede. Ela saiu do banheiro correndo e gritando por ajuda mas foi impedida por outros seguranças, em suas próprias palavras:

“Saí do banheiro apavorada, gritando pra todos o que aconteceu e, com os amigos que esperavam ali fora,tentamos ir atrás dele. Os seguranças, para nossa surpresa, começaram a nos barrar, acobertando o ocorrido, nos impedindo de alcançar o agressor e de nos comunicarmos com um responsável pela festa e/ou estabelecimento (para que fossem tomadas devidas providências)”.

Sendo assim em solidariedade e resposta o banheiro do bar ficou assim:

 

20140328_232331

20140328_232305

Na mesma noite rolou o escracho na frente da festa “Selva” que estava acontecendo no bar Caribe, O escracho rolou pois a divulgação da festa foi feita com cartazes misóginos e racistas. Leia a carta de denúncia.

Abaixo um dos cartazes de divulgação da festa com uma mulher branca pintada de preto para caracterizar uma mulher negra “selvagem”:

selva

 

 

* ano passado algumas ruas de Porto Alegre também amanheceram com nomes de mulheres feministas, lutadoras, sobreviventes.
http://mulhereslibertariasemluta.blogspot.com.br/

 

4ª Feira do Livro Anarquista de Porto Alegre//15,16 e 17 Nov.