Reunião organizativa da FrePLA – 11/05

🌿A Frente Pela Legalização do Aborto RS convida mulheres e coletivos de mulheres para a reunião organizativa aberta do dia 11 de maio. Nesses encontros buscamos seguir construindo uma frente combativa com ações que garantam os direitos reprodutivos e sexuais das mulheres. As constantes ameaças que temos enfrentado a esses direitos aumentam a violência e o sofrimento de mulheres, que se agravaram ainda mais durante a pandemia. Precisamos nos manter organizadas e atuantes!
Traga suas ideias e questões – participe!
Reunião aberta para mulheres do RS
Dia 11.05.21 às 19:00h
Inscreva-se nas nossas redes: @freplars

1º de maio e a divisão sexual do trabalho

No Dia do Trabalhador lembremos que os direitos conquistados no trabalho não são iguais para homens e mulheres.

A divisão sexual do trabalho oferece às mulheres trabalhos mais precários, com salários menores que dos homens mesmo quando as funções são iguais. A divisão sexual do trabalho coloca a mulher na esfera doméstica para um trabalho não remunerado, desvalorizado e considerado uma ‘obrigação feminina’. Tal obrigação não deixa de existir na vida de mulheres trabalhadoras assalariadas sobrecarregadas pela dupla jornada. A divisão sexual do trabalho garante que a prostituição e outras formas de exploração sexual sejam a única ou a mais viável saída que muitas mulheres têm para sobreviver, lhes impossibilitando de fazerem escolhas propriamente ditas.

Toda divisão feita a partir do sexo assegura que as mulheres sejam subordinadas aos homens. Existe uma simbiose muito bem articulada entre o patriarcado e o capitalismo que se sustentam com a exploração do trabalho e dos corpos das mulheres. É importante reconhecer a mulher pertencente a uma classe porque a subordinação é imposta, materializada pelas opressões que atingem todas as mulheres, agravada pela intersecção de opressões.

No dia do Trabalhador lembremos que a força de luta das mulheres por conquistas trabalhistas não seja mais um trabalho a ser utilizado e explorado ao negar às mulheres lutas por conquistas próprias e específicas da nossa classe.