Bate Papo sobre a Marcha das Vadias e exibição do filme Monster- no Espaço Deriva

Em continuidade pelo mês de luta das Mulheres, nesta semana a Ação Antisexista, estará com duas atividades no Espaço Deriva. Hoje, terça feira 19, faremos leitura e debate sobre o zine “Considerações sobre a Marcha das Vadias e outros textos”, e na quinta feira, 21, terá a exibição do filme Monster. A prostituição é assunto em ambas atividades. Bom momento para discutirmos o que é ser uma “prostituta de verdade”…sobre as violências contra as mulheres e a misoginia implicada nestas violências.

Terça-feira, 19/março : Leitura e debate do zine Considerações sobre a Marcha das Vadias e outros Textos. 19h.

Quando surgiu a Marcha das Vadias eu fiquei um pouco confusa: eu me revoltei contra a declaração do policial canadense como todas as mulheres que criaram a Slutwalk, mas eu achei a estratégia bem falha em vários sentidos, coisa que eu explico em dois textos desse zine. O primeiro texto que escrevi, Considerações sobre a Marcha da Vadias, comecei em novembro de 2011, depois de um diálogo virtual com uma amiga que estava vivendo em outro país. Eu comecei a escrever a resposta e isso acabou se tornando um texto sobre o assunto. Eu fiquei muito tempo em cima do texto, mas não consegui concluir na época… deixei o texto de lado. Isso se deu porque eu via muita dificuldade em abordar e organizar todas as questões que envolviam o assunto, em função de sua complexidade e pela dicotomia que foi criada entre liberação e moralismo. As pessoas não queriam discutir sobre a estratégia adotada pela Marcha das Vadias. Talvez muitas de nós chegaram a pensar em reconstruir as estratégias, pois havia uma intenção de contestarmos também o ponto de vista machista do policial canadense, e não só dele. Mas a Marcha já tinha sido criada e não sofreria mudanças, ao perceber isso não me engajei. Retomei o texto este ano também fruto de diálogo sobre o assunto e da tradução dos textos de Rebecca Mott. das quais participei.

Este zine explica um pouco os pontos de vista que criticam as estratégias da Marcha das Vadias. É um compilação de dois textos da escritora feminista radical e sobrevivente de prostituição Rebecca Mott., e dois textos meus.

Rebecca Mott. como ex-prostituta nos traz seu ponto de vista, fruto de sua vida cheia de abusos e violência no passado. É impossível ficarmos alheixs ao que ela coloca. A violência contra uma é a violência contra todas, e o que Rebecca escreve é reflexo das violências das quais passou. Existe a ideia de quando uma mulher sofre violência, seu relato e opinião por serem frutos de trauma são deslegitimados, como se não houvesse racionalização, reflexão e elaboração no pensamento. Eu penso essa ser uma forma de reproduzir a desvalorização das ideias que as mulheres têm. Eu penso essa ser uma forma de supervalorizar o pensamento cientifico em detrimento do conhecimento adquirido por vivência.

Enila Dor, novembro de 2012.

Quinta-feira, 21/março: Exibição do filme Monster seguido de bate-papo. 19h.

Filme da diretora Patty Jenkins, 2003, 109min. O filme é baseado em parte da vida de Aileen Wuornos, mulher prostituída executada pelo Estado que a considerou como uma assassina em série, apesar de Aileen ter alegado legítima defesa, evidenciando como o Estado reprime e criminaliza a auto defesa das mulheres. O filme é ao mesmo tempo brutal e sensível, tocando também sobre sororidade e lesbianidade.

Página Inicial

Chamada para ato público – 8 de março é luta!

8 de março é dia Internacional da Mulher, porém não é dia de comemoração e sim dia de luta! É dia para refletirmos sobre as opressões que nós mulheres somos submetidas e manifestarmos nosso descontentamento.

Estaremos amanhã reunidas nos manifestando no Largo Glenio Peres às 17h.

Venha para a luta!

Leia mais sobre aqui panfleto8março

 

Espaço Deriva: Documentário

Nesta quinta feira 21/02, o filme “RESIDENZPFLICHT” estará sendo apresentado no Espaço Deriva. O documentário será exibido as 19h seguido de um bate papo com a diretora Denise Garcia Bergt e Santiago Rodrigues. O filme está bastante em sintonia com uma nova onda de marchas e protestos na Alemanha protagonizados por imigrantes, em resposta a perseguição que vêm sofrendo.
Seguem informações e links para você saber mais!

“RESIDENZPFLICHT” documentario, 69min, video, 2012/Berlin

Direçao: Denise Garcia Bergt  Fotografia: Cassiano Griesang

Alemanha, o processo de asilo ainda está em andamento e todo refugiado deve permanecer em seu distrito de residência. Para sair, deve pedir permissao ao escritorio local de imigraçao. Visitar um outro distrito sem autorizaçao implicara multa ou prisao por ate 1 ano. Residenzpflicht (residência obrigatória) é o nome da lei que restringe, humilha e isola toda a pessoa que pede asilo na Alemanha.

Exibiçao do documentario e conversa com Denise Garcia Bergt e Santiago Rodrigues.
site do filme e trailer: http://residenzpflichtdoc.com/
Entrevista em ingles (abaixo da versao em alemao): http://www.migration-boell.de/web/migration/46_3289.asp
Links:
The Voice Refugee Forum: thevoiceforum.org
The Caravan for the rights of refugees and migrants: thecaravan.org

www.residenzpflichtdoc.com

 

Estratégias de mobilização Anarquista Feminista na 3ª FLAPOA

Hoje no segundo dia da 3ª FLAPOA além da exposição de materiais anarquistas e feministas durante todo o dia, seguem as oficinas e bate papos, filme e intervenções artísticas, confira toda a programação no site da feira flapoa.deriva.com.br/

Às 19h rola um bate papo, somente para mulheres:

Estratégias de mobilização Anarquista Feminista
Propostas para construção de rede anarquista e feminista, bate papo sobre novas (e velhas) táticas de ação, mobilização e propagação das idéias anarquistas em uma perspectiva feminista.

 


3ª Feira do Livro Anarquista de Porto Alegre

A Feira do Livro Anarquista de Porto Alegre chega a sua 3ª edição, e este ano acontece nos dias 16, 17 e 18 de novembro.

Este ano, diferente dos anos anteriores, a feira se realizará no Gasômetro, um espaço público e central da cidade, exercitando novas maneiras de construção da feira e interação com a comunidade.

Como nas primeiras duas edições, a 3ª FLAPOA conta com propostas de coletivos locais e também de outros lugares, promovendo a troca e a mobilidade.

Haverá exposição e venda de livros, zines e materiais diversos durante todo o evento, que incluirá oficinas, debates e bate papos, música, teatro, e filmes que serão exibidos na sala de cinema do local.

Venha participar e contribuir com a 3ª FLAPOA!

Confira a programação completa e atualizações no site flapoa.deriva.com.br

 

A Questão Feminina em Nossos Meios – Lucia Sanchez Saornil

O texto que segue é de Lucia Sanchez Saornil da organização Mujeres Libres da Espanha. A organização surgiu em 1936 na época da Revolução Espanhola, também contada como Guerra Civil Espanhola. O texto é um trecho de uma discussão entre Lucia e o secretário da CNT Mariano R. Vasquez que foi publicada no jornal Solidaridad Obrera em 1935.  O texto parece oportuno e ainda atual pois critica o pensamento científico da maternidade como característica definidora da mulher, ditando suas funções dentro da sociedade, e relata o machismo no meio anarquista da época.  Sinto uma grande afinidade com o pensamento de Lucia, pois hoje ainda enfrentamos as mesmas dificuldades.

“Na atualidade, está socialmente questionada a teoria da inferioridade intelectual feminina ; um número considerável de mulheres de todas as condições sociais demonstrou praticamente a falsidade do dogma, poderíamos dizer, revelando a excelente qualidade de suas aptidões, em todos os ramos da atividade humana. Apenas nas camadas sócias inferiores onde a cultura penetra mais lentamente pode sustentar-se, ainda, uma crença tão perniciosa.

Quando, porém, o campo parecia limpo, um novo dogma, este com garantias científicas, aparentes, obstaculizou o caminho da mulher, levantando novos obstáculos à sua passagem; e é de tal qualidade que, por um momento, deve tê-la deixado pensativa.

Frente ao dogma da inferioridade intelectual da mulher, levantou-se o da diferenciação sexual. Já não se discute como no século passado, se a mulher é superior ou inferior; afirma-se que é diferente. Já não se trata de um cérebro de maior ou menor peso ou volume, mas de uns corpinhos esponjosos, chamados glândulas de secreção, que imprimem um caráter peculiar à criatura, determinando seu sexo e com este, suas atividades no campo social.

Nada tenho a objetar a esta teoria em seu aspecto fisiológico, mas sim às conclusões que se pretendem extrair da mesma. Que a mulher é diferente? De acordo. Embora talvez essa diversidade não se deva tanto à natureza, como ao meio ambiente em que se desenvolveu. É curioso que, quando se extraíam tantas conseqüências da teoria do meio na evolução das espécies, esta seja completamente esquecida quando se trata da mulher. Considera-se a mulher atual como um tipo acabado, sem levar-se em conta que não é mais do que o produto de um meio permanentemente coativo e é quase certo que, restabelecidas no possível as condições primárias, o tipo se modificaria ostensivamente, burlando, talvez, as teorias da ciência que pretendem defini-la.

Pela teoria da diferenciação, a mulher não é mais do que uma matriz tirânica que exerce suas influências obscuras até os últimos recantos do cérebro; toda vida psíquica da mulher é subordinada a um processo biológico, e tal processo biológico não é outro que o da gestação. “Nascer, sofrer, morrer”, dissemos num artigo anterior. A ciência veio modificar os termos, sem alterar a essência desse axioma: “Nascer, gestar, morrer”. E aí está todo o horizonte feminino.

É claro que se tentou cobrir essas conclusões com douradas nuvens apoteóticas. “A missão da mulher é a mais culta e sublime da natureza”, dizem; “ela é a mãe, a orientadora, a educadora da humanidade futura”. E, no entanto, fala-se em dirigir todos os seus passos, toda a sua vida, toda a sua educação para esse único fim; único ao que parece, em perfeita harmonia com sua natureza.

E novamente vemos, frente a frente, o conceito de mulher e o de mãe. Porque resulta que os sábios não descobriram nenhum mediterrâneo; em todas as idades, têm-se praticado a exaltação mística da maternidade; antes exaltava-se a mãe prolífica, parideira de heróis, de santos, de redentores ou tiranos; de agora em diante, exaltar-se-á a mãe eugênica, engendradora, gestadora, parideira perfeita; antes a agora, todos esforços são convergentes para manter em pé a brutal afirmação de Okén que citava outro dia: “A mulher não é o fim, mas o meio da natureza; o único fim e objeto é o homem”.

Eu disse que tínhamos novamente os conceitos de mulher e de mãe frente a frente, e disse mal; agora temos algo ainda pior: o conceito de mãe absorvendo o de mulher, a função anulando o indivíduo.

Dir-se-ia que no transcorrer dos séculos, o mundo masculino tem oscilado, frente à mulher, entre dois conceitos extremos: da prostituta à mãe, do abjeto ao sublime, sem deter-se no estritamente humano: a mulher. A mulher como indivíduo racional, pensante e autônomo. Se procurarmos a mulher nas sociedades primitivas, apenas encontraremos a mãe do guerreiro, exaltadora do valor e da força. Se a procurarmos na sociedade romana, apenas encontraremos a matrona prolífica que supre a República com cidadãos. Se a procurarmos na sociedade cristã encontra-la-emos já convertida em mãe de Deus.

A mãe é o produto da reação masculina frente à prostituta, que é para ele toda mulher. É a deificação da matriz que o abrigou.

Contudo – e ninguém deve escandalizar-se pois estamos entre anarquistas e nosso compromisso primordial é restabelecer as coisas em seus verdadeiros termos, derrubar todos os falsos conceitos, por mais prestigiados que sejam – , a mãe como valor social não deixou de ser, até o momento, a manifestação de um instinto, um instinto tanto mais agudo quanto a vida da mulher só girou em torno dele durante anos; porém, instinto, afinal; apenas, em algumas mulheres superiores, alcançou a categoria de sentimento.

A mulher, em troca, é o indivíduo, o ser pensante, a entidade superior. Em nome da mãe, quer-se excluir a mulher, quando se pode ter mulher e mãe, porque a mulher não exclui nunca a mãe.

Desdenha-se a mulher como valor determinante na sociedade, dando-lhe a qualidade de valor passivo. Desdenha-se o aporte direto de uma mulher inteligente por um filho talvez inepto. Repito que há que se restabelecerem as coisas em seus verdadeiros termos. Que as mulheres seja mulheres antes de tudo; somente sendo mulheres e que se terão as mães de se necessita.

O que verdadeiramente me assusta é que companheiros que se chamam de anarquistas, alucinados, talvez, pelo princípio científico sobre o qual se pretende estar assentado o novo dogma sejam capazes de sustentá-lo. Frente a eles, assusta-me essa dúvida: se são anarquistas, não são sinceros; se são sinceros, não são anarquistas.

Na teoria da diferenciação, a mãe é o equivalente do trabalhador. Para um anarquista, antes que o trabalhador, está o homem, antes que a mãe, deve estar a mulher (falo em sentido genérico). Porque para um anarquista, antes de tudo e acima de tudo, está o indivíduo.”

Extraído de Mujeres Libres da Espanha: Documentos da Revolução Espanhola : Editora Achiamé, 2007; Rago, Margareth; Biajoli, Maria Clara Pivato.

 

A Vadia Por Definição – Rebecca Mott.

Seguem as reflexões/questionamentos sobre a Marcha das Vadias. Novamente o texto é de Rebecca Mott., uma sobrevivente de prostituição   Pra quem quiser conferir o original em inglês: rmott62.wordpress.com/2011/05/10/the-ultimate-slut/

Num primeiro momento a tradução que fiz de “The Ultimate Slut” me pareceu mais correta como ” A Verdadeira Vadia”. Alguma coisa porém me dizia que desta forma em português teria um sentido duplo que não é o que a autora pretende,e por isso acabei escolhendo “por definição” no lugar de “verdadeira”. Mas quero compartilhar que me soa um pouco estranho ter decidido pelo termo escolhido. Espero no entanto que não prejudique a compreensão. Boa leitura.

A Vadia por definição

Este ano começou um movimento chamado Marcha das Vadias*, que pegou como fogo entre mulheres bastante privilegiadas, e que está bastante ligado com xs defensorxs do mercado sexual.

A Marcha surge da boa idéia de que nenhuma mulher ou menina deveria ser estuprada ou abusada por causa das roupas que ela estiver usando – ou por seu estilo de vida.  Isso é verdade – mas tem sido algo fácil para a indústria do mercado sexual manipular.

Afinal de contas, normalmente a Vadia por Definição está sob o controle do mercado sexual – ela é a prostituta, ela está dentro da pornografia violenta, ela é a acompanhante, ela é consumida pelos turistas sexuais.

Se você escolhe reinventar o termo Vadia – saiba que você está fazendo isso de um ponto de vista altamente privilegiado da qual a Vadia por Definição não tem acesso. Se você escolhe dizer que ser chamada de Vadia é algo empoderador – então escute as mulheres e meninas que estão envolvidas no mercado sexual que são desprovidas de poder e voz.

A Marcha das Vadias não está falando para ou pela Vadia por Definição. Está passando por cima e se utilizando dela.

Se fosse inventada por homens seria considerado arrogância, por que ex prostitutas tem que serem tolerantes só porque ela foi criada por mulheres?

Se você quer saber o que é ser uma Vadia, uma Vadia sem liberdade de ir e vir, sem liberdade de falar, sem direito a segurança – então se coloque na pele de uma Vadia por Definição.

Na maioria das vezes as mulheres e meninas no mercado do sexo são estupradas, espancadas e assassinadas independente do que vestem, independente do ambiente onde elas se encontram.

O que a Marcha das Vadias faz de fato que faça alguma diferença na prática quanto a isso?

Ao contrário, muitas das pessoas que participam da Marcha das Vadias dizem que as mulheres – evitando falar nas crianças envolvidas – escolhem entrar no mercado do sexo. Para essas pessoas ser uma Vadia é apenas um trabalho.

Essas pessoas então marcham orgulhosas da sua solidariedade para que o mercado sexual corra como um negócio normalmente.

Pra ser educada eu diria que isso é fechar os olhos para a violência que é uma regra dentro do Mercado sexual. Mas hoje eu não sinto vontade de ser gentil – eu diria então que esta é uma atitude egoísta e de alto privilégio, que vê as mulheres no mercado sexual como sub-humanas, que são boas apenas para serem usadas como propaganda enganosa.

Quantas são as mulheres que estão envolvidas no mercado sexual, neste “apenas um trabalho”, que tem estado nele por tempo integral por vários anos, sem nenhum poder ou escolha sobre como os clientes vão usar elas?

Quantas são as mulheres que envolvidas neste “apenas um trabalho” se encontram em condições onde o estupro é tão normal que não pode ser falado, onde mulheres desaparecerem é coisa normal, onde “Não” não significa nada?

Chame de trabalho quando você tem filas de homens esperando para despejar todas as fantasias pornográficas deles dentro de você.

Chame de trabalho, quando você perde a fala e a vontade de protestar que só levam a mais sexo sádico e ameaças de morte.

Esteja na pele de uma Vadia por Definição, então vá a Marcha das Vadias.

Eu nunca usarei o termo Vadia- porque eu nunca vou aceitar a Violência dos homens e odeio ver que a classe prostituída está se tornando ainda mais invisível por mulheres que dizem que está tudo bem serem chamadas de Vadias.

Vadia é um termo criado por homens com profundo desprezo e ódio por todas mulheres e meninas – mas para a Vadia por Definição, os homens estão dizendo que ela não significa nada além da coisa que eles vão foder até reduzi-l a lixo.

Como é possível se apropriar disso?

Estou sendo direta porque toda esta história tem me deixado mal. Leve em conta que eu me sentir mal é em parte por lembrar novamente que eu sou sub-humana para as mulheres suficientemente privilegiadas ao ponto de se apropriarem do termo vadia.

Eu não consigo esquecer quão venenoso é este termo – eu gostaria muito de conseguir.

Rebecca Mott.  10/maio/2011

* Do inglês Sluwalk. Apesar da equivalência dos termos Slut e Vadia, sentimos que o termo em português é mais brando. Em compensação o texto vale para a apropriação de outros termos também, como Puta e Vagabunda.

 

Razões pelas quais eu não vou na Marcha das Vadias – Rebecca Mott.

Olá a todas!

Tradução do texto “Razões pelas quais eu não vou na Marcha das Vadias”, escrito pela feminista radical, escritora e sobrevivente de prostituição, Rebecca Mott. Confira o site dela com seus textos (em inglês): http://rmott62.wordpress.com/

Este é primeiro texto de uma série sobre este tema que estarei traduzindo.

Razões pelas quais eu não vou na Marcha das Vadias

A Marcha das Vadias pode parecer uma forte ação feminista, mas para mim, como ex prostituta, parace uma forma negativa de lidar com a violência masculina contra todas as mulheres e meninas.

Não acredito que se apropriar da palavra “vadia” faça com que os homens agressores percebam algo de errado em seu comportamento, pelo contrário, se encaixa no jogo deles. Usar o termo vadia é se enquadrar naquilo que homens abusivos querem que as mulheres sejam. Chamar uma mulher ou menina de vadia é comumente usado para mantê-la como objeto sexual dos homens. Chamar uma mulher ou menina de vadia é usado para mantê-la heterosexual e não liberada, e que ela existe para agradar os homens.

Se apropriar da palavra vadia não faz com que a história simplesmente desapareça.

Mas pra mim como ex prostituta, duvido muito que as razões por trás da Marcha das Vadias – que foi tão rapidamente adotada por liberais e muitas vezes por feministas pró trabalho sexual – sejam em função de que ser vadia é considerado “trabalho” dentro do mercado do sexo.

Maravilha, outro truque para fazer desaperacer a violencia contra as mulheres que estão no mercado sexual, já que esse é o trabalho delas, e portanto não pode ser considerado violencia masculina, mas sim o papel da prostituta.

A Marcha das Vadias está nos interesses das mulheres privilegiadas que podem brincar com o papel de vadia, se vestir como uma puta, exibir cartazes com dizeres como “Vadias Dizem Sim”, que imaginam que as mulheres no mercado do sexo são empoderadas quando elas nos chamam de irmãs.

A Marcha das Vadias diz que o estupro é ruim quando feito contra mulheres e meninas”de verdade” independente do que elas vestem e onde vão. Mas ignora fortemente o estupro e a tortura sexual que acontecem diariamente contra as mulheres e meninas que estão no mercado do sexo.

Isto é ignorado – pois na visão da Marcha das Vadias isso é só trabalho – então não devemos julgar e nem mesmo nos aprofundarmos.

Algumas mulheres na Marcha das Vadias pensam que é radical se vestir com o estereótipo que elas tem da Vadia, ou com a versão cartunizada de uma puta. Elas podem chamar isso de burlesco, mas para as ex prostitutas isso é um insulto.

Se vestir como puta pra noite é frequentemente feito de uma posição de alto privilégio. Você se veste assim porque acredita estar segura, e se você for estuprada isso será um ultraje.

Fazer de conta que é uma puta não é ser uma puta.

A maioria das mulheres e meninas prostituídas não estão protegidas do estupro, não é um ultraje quando isso acontece – suas roupas e por onde andam são problemas menores comparados a viver numa sociedade que ignora seus sofrimentos, e usa sua imagem somente para fazer festa.

Além do que, como você ousa vestir-se com os estereótipos de puta que a maioria das prostitutas estão tentando se livrar. Na verdade você está mostrando seu privilégio.

Claro que eu acredito que nenhuma mulher ou menina deva ser estuprada em nenhuma situação, não importa o que ela esteja vestindo.

Mas a Marcha das Vadias está evitando o problema de que os homens que decidem estuprar irão estuprar mulheres e meninas não importando o que ela usa ou a situação que ela se encontra.

É o direito masculino de acreditar que todas mulheres e meninas não são nada além de objeto sexual que é a questão – é o ponto de vista do homem que mulheres e meninas podem ser pegas e estupradas sem sérias consequências pra ele, que é a questão.

Não é sobre as mulheres tentarem dar um jeito de se conformarem o suficiente para que homens agressores possam mudar seu comportamento – é sobre lutar por justiça e castigos severos que acabem com a violência cometida pelos homens.

Eu irei para o Reclaim the Night* – mas a Marcha das Vadias não faz nada por mim nem justiça para as prostituídas.

Rebecca Mott, 1º de Maio, 2011

*“Retome as noites” é um ato organizado por feministas que existe desde os 70 nos países de língua inglesa e que começou com protestar contra a cultura de estupro. Feministas marchavam a noite por causa da idéia comum de que ‘não ande em uma rua escura a noite pois poderá ser estuprada’. As marchas continuam sendo realizadas até hoje em muitos países. No Brasil houveram alguns em Brasília, Florianópolis e Curitiba, consistindo em intervenções urbanas. (nota da Apoya Mutua).

 

2ª Feira do Livro Anarquista e Festival

Confira a programação da feira no site flapoa.deriva.com.br
e a programação do festival abaixo:

Domingo 13/11 tocam as bandas:

Gracias por Nada ///Brasília
Ferida
Conduta Destrutiva
No Masters

Segunda 14/11 tocam:

Revolta Popular ///São Paulo
Lifelifters ///São Paulo
Flores do Holocausto /// Lajes
Tranca rua ///São Paulo
Digna Rabia
Vapaus

página inicial

Segunda edição do livreto Mulheres Anarquistas

Este é o segundo volume do livreto Mulheres Anarquistas – O Resgate de uma História Pouco Contada. Mabel Dias e Imprensa Marginal.

“Este segundo volume dá ênfase às movimentações, experiências e coletivos de caráter anarco-feminista que surgiram a partir da década de 90, com relatos diversos que, em seu conjunto, nos trazem parte da história recente do anarco-feminismo no Brasil, feita com base em muitas vozes.”

O livreto conta com vários coletivos do brasil e também com relatos de mulheres de outros países publicados originalmente nas cartilhas entre os anos de 2002 e 2003 por Mabel Dias.

É muito importante que sigamos contando nossa “herstória”, já que é convenientemente esquecida por não favorecer a hegemonia masculina. O patriarcado dá conta igualmente de incentivar a passividade nas mulheres e apagar o que conquistamos arduamente, abaixo de muita luta e perseverança.

Parabéns pela inciativa conjunta das companheiras de lutas Mabel e Imprensa Marginal.

você pode adquirir este e outros materiais entrando em contato com imprensa_marginal[@]yahoo[.]com[.]br e http://anarcopunk.org/imprensamarginal/