EXTRAS VIVER PARA LUTAR // entrevista com ALINE ROD (No Rest, Ameaça, Ação Antisexista)

“Voltando com as entrevistas EXTRAS do VIVER PARA LUTAR! Serão pequenos curtas individuais, com um pouco mais sobre as vivências, opiniões e experiências das companheiras que participam do documentário, e que por questão de tempo não puderam ser incluídos no longa metragem.

Trecho extra da entrevista com Aline Rod (No Rest, Ameaça, Ação Antisexista) para a série de documentários Viver Para Lutar, realizada em 2016 em Halle (Alemanha), com reflexões sobre a presença das mulheres na cena punk dos 90 e atualidade, questionamentos sobre o modo como o feminismo é tratado no meio anarquista, mudanças nos dias de hoje, e mais.”

Veja o documentário completo em: https://youtu.be/nMRd4nh3tm0

J.K. Rowling autora de Harry Potter é atacada nas redes por questionar o apagamento de mulheres

J. K. Rowling é mais uma vez atacada por questionar o apagamento da realidade de mulheres. A autora dos livros de Harry Potter está sendo duramente criticada e acusada de transfóbica pelo seguinte tuíte:

J.K. Rowling autora de Harry Potter é atacada nas redes por questionar o apagamento de mulheres

“Pessoas que menstruam. Tenho certeza que havia uma palavra para essas pessoas. Alguém me ajuda? Wumben? Wimpund? Woomud?” (O jogo de palavras aponta a obviedade do termo correto ser “woman”)

A legenda da matéria que ela questiona: “Opinion: Creating a more equal post-COVID-19 world for people who menstruate” – Opinião: Criando um mundo mais igualitário pos Covid-19 para pessoas que menstruam.

Parece que “Mulher” é uma palavra que deve ser banida, um significado sujo. Essa é a nova cara da misoginia. A que ponto chegamos para que uma mulher seja atacada por nos lembrar que pessoas que menstruam são mulheres? É de uma contradição e incoerência absurdas nos dizerem para não reduzirmos as pessoas à biologia e se referirem a nós como pessoas que menstruam. Extremamente ofensivo e redutor. As pessoas se ofendem com a palavra mulher, sentem vergonha, ou querem nos colonizar? E isso não é assustador? Mas seria ingênuo não entender que o que está acontecendo é a mudança proposital na linguagem por uma suposta inclusão de qualquer pessoa que queira ou se sinta permanente ou temporariamente como uma mulher às custas da exclusão de nós mulheres da nossa própria realidade material. Como se ser mulher fosse de fato um sentimento. Esta é uma questão teórica, que pode ser debatida com argumentação, mas não com este tipo de retaliação. As pessoas a essa altura já sabem, ou deveriam saber, que este é um posicionamento feminista estabelecido em como funciona a opressão das mulheres. Nós mulheres somos exploradas e discriminadas primeiramente pela nossa biologia, a opressão sobre nossas escolhas e sentimentos vêm como consequência.

Eu sinto uma revolta muito grande, uma profunda tristeza em ver que na verdade as pessoas não se importam de xingar publicamente as mulheres, tudo para se firmarem na mais nova tendência – de negação da nossa opressão. Daí o ator Daniel Radcliffe, protagonista nos filmes da saga, sem nenhum constrangimento decide criticá-la publicamente com uma espécie do que se tornou um mantra que nem sequer foi sobre o que J.K.Rowling disse, ele diz que “mulheres trans são mulheres”. Notem que o ator pegou o questionamento da Rowling de que pessoas que menstruam são mulheres e sua resposta foi “mulheres trans são mulheres”. Mas me pergunto por que ele fez essa volta? Por que ele não disse que “homens trans também menstruam”? Sabem por quê? Porque velado no seu discurso “pró trans” ele não tem a mesma consideração por este grupo de pessoas trans. E continua: “Qualquer declaração em contrário apaga a identidade e a dignidade das pessoas trans e vai contra todos os conselhos dados por associações profissionais de saúde que têm muito mais conhecimento sobre esse assunto do que Jo [J.K. Rowling] ou eu.” Nesta frase ele já usa do silenciamento, pois já nos “ensina” que não podemos declarar o contrário, não podemos ter outra percepção do que significa ser mulher, nem podemos lutar pelos nossos direitos como queremos. Em resumo, um homem se acha no direito o suficiente de dizer a J.K. Rowling que ela não tem o direito de lutar pelas mulheres como ela acredita. As pessoas começaram a dizer para ela calar a boca, ficar quieta, usaram termos como f***-se e toda espécie de xingamento. Tamanho conforto e segurança têm as pessoas de xingar uma mulher publicamente porque ela “ousou” falar o que pensa sobre o apagamento da realidade de mulheres, sem medo de serem acusadas de misoginia.

Mas nós estamos aqui para denunciar a misoginia de vocês e estamos guardando tudo o que vocês estão dizendo. Quando vocês perceberem que esta é uma tática de silenciamento de mulheres, que a propaganda contra nós muito difundida durante a caça às bruxas, é o que vocês estão fazendo tão à vontade, vocês talvez verão de que lado estavam e sintam, quem sabe, vergonha e arrependimento. Mas daí vocês já fizeram, vocês já contribuíram com a propaganda anti mulher de ódio à nossa realidade. Daí vocês já nos obrigaram a voltar vários passos atrás na nossa luta. Dai vocês já até mesmo nos dividiram o suficiente para seguir mantendo os homens em primeiro lugar.

Todas as matérias que vi aqui nos sites brasileiros tratam já como transfóbica a fala de Rowling. Eu vi apenas uma manchete que dizia que a autora havia sido ‘acusada de transfobia’, na maioria já está dada a sentença de transfobia como certa. No portal Ponte.org, tem uma ilustração com Rowling colocada como burra, com uma cara de quem não sabe o que está falando. É tão absurda a “charge” pois ela sabe exatamente do que está falando. Chamar a Rowling de burra? Haja misoginia pra isso. E haja espaço também para que se dê seguimento a isso em paz e harmonia. Esta matéria também dá dicas de como não ser transfóbico, e uma das regras para evitar pisar na bola diz para: “não reduzir as nossas existências as genitálias pois é mega transfóbico”. E aí dizem “crescemos em uma sociedade que acredita que meninas precisam e devem ter genitálias femininas e meninos precisam ter genitálias masculinas”. Pera lá, olhem a escolha e a manobra pra explicar a nossa sociedade em relação as mulheres! Crescemos numa sociedade onde meninas precisam e devem ter genitálias?! Ou crescemos numa sociedade que vê uma vagina e enquadra as mulheres na classe subjugada e explorada? E novamente, a resposta para não valorizar a genitália e o biológico é dizer “pessoas que menstruam”? Esta não é uma referência biológica?? Além disso podemos perceber que esses discursos sempre igualam mulheres e homens numa espécie de “opressão oposta que ambos sofrem” e isso apaga completamente a opressão de mulheres para dar lugar a uma “opressão geral” para homens também. A estratégia de apagamento também é em si uma forma de opressão pois sem sabermos o que nos oprime não teremos meios de como lutar e nos posicionar.

O fato é que os homens seguem sendo homens com H, fortes e assegurados de que nunca sofrerão ataques como estes dos quais nós mulheres somos alvos constantemente.

O que rolou em 2019 aqui na Ação Anti Sexista

Se você quer ficar por dentro do que aconteceu aqui no blog em 2019 abaixo links para as postagens que escolhi pra você navegar com mais facilidade.

Comentário/Texto:

Arte/ Música/ Pensamento:

Calendário Feminista:

Notícia:

Que em 2020 a nossa luta avance!

4 bandas com vocalistas mulheres lançam o split Inflamar

No mês passado saiu o split Inflamar, que reúne 4 bandas de vertentes do crust nacional com vocalistas mulheres.

Atualmente existem muitas bandas com mulheres tocando no chamado underground brasileiro e mundial. Porém o meio ainda é bastante masculino, e isso não se restringe ao fato de ter mais bandas com homens do que com mulheres, mas das consequências que um espaço majoritariamente composto por homens implica.

Porém, além de ser resultante das oportunidades diferentes entre mulheres e homens em todos os âmbitos, a participação das mulheres neste meio é ainda por cima abafada, e ficamos com a sensação de estarmos em menor número do que na realidade. Parecem ser coisas que se contrapõem, mas o patriarcado é cheio de armadilhas. A nossa realidade é de que é absolutamente fundamental apontarmos que tal cenário é composto por uma enorme maioria de homens, e que isso precisa ser mudado, ao mesmo tempo que é determinante lembrarmos da presença e dos feitos das mulheres neste mesmo cenário. O reconhecimento do que nós mulheres fazemos é pequeno, quando existe. Não falo do reconhecimento como a necessidade de inflar o ego, mas como um reconhecimento de um trabalho, de um esforço, de uma criação. Além de que o reconhecimento serve também para encorajar outras meninas e mulheres.

A ideia de fazer um split com vocalistas mulheres surge justamente disso.

É certo que o punk e suas ramificações aglutinam muitas pessoas que questionam os padrões impostos socialmente, pois é da sua “natureza”, da sua origem, e por isso mesmo nós mulheres também queremos dar nosso recado, contribuir, participar, contestar. Aprendi muita coisa, conheci e sigo conhecendo pessoas inspiradoras, interessantes e amigáveis desde que eu comecei a tocar. Mas obviamente que as dinâmicas presentes no patriarcado se reproduzem na cena musical underground e punk, porque é composta afinal de pessoas, que vivem numa sociedade onde a ordem é patriarcal. Esta ordem pela sua própria estrutura causa uma exclusão das mulheres, principalmente nos setores de participação mais ativa e não somente de público. O termo ‘somente’ não tá sendo usado como minimizador. Outra armadilha do patriarcado, é procurar fazer com que nossas reivindicações e conclusões se virem contra nós, ou sejam um motivo de competição entre nós mulheres. Então se você diz que é importante criar condições para que as mulheres sejam ativas, há quem te pergunte “o que você tem contra as mulheres passivas?”. Como feminista posso dizer que estou bastante calejada em ter minhas palavras distorcidas e também posso dizer que as pessoas são previsíveis no seu antifeminismo. O que de fato acontece e o que estou dizendo, são que todas as estruturas do patriarcado são de variadas maneiras impeditivas para que meninas e mulheres toquem, produzam, trabalhem de forma geral no meio, mas até mesmo que sejam o público, com as particularidades que isso envolve.

O patriarcado é um sistema de opressão rígido contra as mulheres, específico. E o enfrentamos já quando muito pequenas. Mas ninguém te apresenta o patriarcado, olá fulana a partir de agora você vai ter que viver com este cara aqui, o patriarcado. Ah, prazer, obrigada. Porém ele se impõe a você em diversas formas. Para muitas de nós de forma implacável. Eu lembro de ter questionamentos muito cedo. Poderia ser considerado algo como instinto, você não sabe bem o que tá acontecendo, mas sabe que estes caminhos que lhe estão sendo oferecidos, têm algo de errado com eles, e não parece favorável segui-los.

Questione. Não se cale ou sucumba ao curso que lhe apresentam.
Torça, e lute se possível, para que todas um dia sejamos livres.

___

Pra motivar a vibe de luta segue a letra de uma das faixas gravadas pela No Rest:

Nem Sujeição Nem Apatia

Todos diziam a ela pra se conter
que seus sonhos eram muito altos pra uma menina
mas não eram sonhos que ela tinha, o que ela queria era uma realidade menos atroz
aquilo que é fácil pra um pode ser muito difícil pra uma
tentaram de várias formas tirar sua dignidade
nascia uma dor mas também uma busca por liberdade
sua independência jamais será negociada
palavras inúteis e motivos fúteis não têm vez para quem já sabe o que não quer
pra quem pegou a dor e a fez sua companhia
os pesares e os olhares de quem não quer compreender são o motor pra sua coragem e rebeldia
que de sujeição é que não pensou em viver
nem de apatia

link pro som https://soundcloud.com/no-rest/nem-sujeicao-nem-apatia

Segunda faixa da No Rest no split
https://soundcloud.com/no-rest/no-rest-abracando-o-fascismo

4 bandas com vocalistas mulheres lançam o split Inflamar
capa do cd – ilustração por Marcelo Dod diagramação do encarte por Nata

O split Inflamar conta com as bandas Manger Cadavre?, No Rest, Vasen Käsi e Warkrust. Cada banda gravou duas faixas. Você pode encontrar os sons online e em CD.

4 bandas com vocalistas mulheres lançam o split Inflamar
As 4 vocalistas: acima à esquerda Aline rodrigues da No Rest; acima à direita Nata Nachthexen da Manger Cadavre?; abaixo à esquerda Anne da Warkrust e à sua direita Mars Martins da Vasen Käsi

Blog da No Rest com mais informações, letras, áudios de som, fotos,etc. https://norest.noblogs.org/

“Replicar: Um Estuprador em Teu Caminho”

"Replicar: Um Estuprador em Teu Caminho"
intervenção em Santiago no Chile

“Un violador en tu camino” é uma intervenção criada e performada pela primeira vez por feministas de Valparaíso no Chile, para denunciar a violência contra as mulheres. A intervenção foi escrita e elaborada pelo coletivo feminista “Lastesis”, que tem como objetivo transformar as teses feministas em performances, e com isso abranger mais pessoas. No dia 25 de novembro, Dia Pela Não Violência Contra a Mulher, 2000 mulheres se reuniram para protestar na capital de Santiago com esta intervenção. Em poucos dias a intervenção foi traduzida em várias línguas, adaptada aos contextos locais, e repetida em diversas partes do mundo, como no México, Alemanha, Colômbia, Argentina, Bélgica, Inglaterra, França, Espanha, El Salvador, Estados Unidos, Paraguai, República Dominicana, e Uruguai. A razão por ter se se espalhado prontamente com tanta intensidade ao redor do mundo, é porque todas nós mulheres nos identificamos com o que retrata a performance, pois mostra a realidade das violências específicas contra nós. “No caminho” de casa, do trabalho ou escola, no transporte coletivo, nas ruas movimentadas ou afastadas, numa balada, e mesmo dentro de casa, nós mulheres somos constantemente ameaçadas com a violência dos homens.

Os protestos feministas pelo fim da violência contra às mulheres, acontecem no Chile no meio das manifestações contra o presidente, que duram mais de um mês. Já foram contabilizadas quase 3 mil pessoas feridas e 23 mortos. “Un violador en tu camino” é um verso criado em cima do slogan policial chileno“Un amigo en tu camino”. Em outubro, feministas denunciaram estupros e violências sexuais cometidas por policiais e militares contra meninas e mulheres que estavam indo nos protestos.

Fechando os “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra a Mulher”, aqui em porto Alegre a intervenção também vai ser replicada.

No dia 7 de dezembro às 10h haverá o ensaio atrás do Auditório Araújo Viana, e a intervenção acontece no mesmo dia na frente do Largo Expedicionário às 11:30h.

Venha e convide suas amigas, irmãs e companheiras

Segue a letra pra gente tentar decorar até sábado!

O patriarcado é um juiz
Que nos julga por nascer
E nosso castigo
É a violência que não vês

O patriarcado é um juiz
Que nos julga por nascer
E nosso castigo
É a violência que se vê

Feminicídio
Impunidade para os assassinos
Pela agressão
Pelo estupro, violação

E a culpa não era minha
Nem onde estava, nem como vestia
E a culpa não era minha,
Nem onde estava, nem como vestia

E a culpa não era minha
Nem onde estava, nem como vestia
E a culpa não era minha,
Nem onde estava, nem como vestia

O estuprador és tu
O estuprador és tu

É a polícia
Os juízes
O estado
O presidente

O estado opressor é um macho estuprador
O estado opressor é um macho estuprador

O estuprador és tu
O estuprador és tu

Marielle Presente
O assassino dela é
amigo do presidente

O estuprador és tu
O estuprador és tu
O estuprador és tu
O estuprador és tu

——

A letra foi alterada no dia anterior da intervenção, e atualizada aqui dia 08.12

Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!

 

A reunião da FrePLA deste mês será de avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres. O Festival aconteceu no dia 28 de setembro passado pelo Dia Latino Americano e Caribenho Pela Descriminalização do Aborto.

Nesta quarta feira, estaremos fazendo esta avaliação coletiva e também dando continuidade aos encaminhamentos das novas ações.

16 de outubro às 18:30h no Camp – Escola de Cidadania

  • Reunião exclusiva para mulheres

 

Seguem algumas imagens do Festival!

Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!

Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!Reunião de Avaliação do Festival É Pela Vida das Mulheres!

 

As imagens falam por si. Foi um grande dia ver tantas mulheres juntas construindo e participando de uma variedade incrível de atividades. Pela vida das mulheres.

 

Festival É Pela Vida das Mulheres – Cronograma

 

A FrePLA Convida para o Festival pela descriminalização do aborto que acontece sábado dia 28.09 na Redenção:

Cronograma do Festival!! Olha que linda tá a nossa programação! Venha fazer parte deste grande encontro pela vida de todas nós! Nem uma a menos!

🌿11:00h Abertura do Festival É Pela Vida das Mulheres! Intervenção da Trupe Abre Asas e momento de encontro e organização
🌿11:00h Ciranda – Brincadeiras com cuidadora até as 18:30h
🌿11:30h Feira Feminista até às 18h
🌿12:00h Piquenique Coletivo – Traga seu lanche e compartilhe este momento com a gente!
🌿13:15h Capoeira – Treinel Fabi Grupo de Capoeira Angola Zimba
🌿13:30h Roda de Conversa: Saúde Mental da Mulher – Coletivo Virgínias/Ação Anti Fascista *
🌿13:30h Oficina de Malabares para crianças – Atividade da ciranda
🌿14:00h Oficina de bordado: Costurando Existências Tecendo Resistências – Ocupação Feminista *
🌿14:45h Apresentação Artística: Miss Beleza – Performance *
🌿15:00h Roda de Conversa: Direitos Reprodutivos e a Rede de Atendimento em Aborto Legal Porto Alegre – Fórum do Aborto Legal/ Themis *
🌿16:00h Apresentação Artística: Pantaleore – Núbia Quintana – Comédia de arte; Performance *
🌿16:15h Roda de Conversa: Deficiência, Reprodução Social e o Direito ao Aborto -Coletivo Feminista Helen Keller *
🌿17:00h Apresentação Artística: Levanta Favela – Performance *
🌿17:20h Apresentação Artística: Poetas Vivas-Intervenção Poética*
🌿17:40h Apresentação Artística: Arielle – Intervenção Poética *
🌿18:00h Apresentação Artística: Luisa Gonçalves – Música *
🌿18:15h Apresentação Artística: Não Mexe Comigo Que Eu Não Ando Só – Percussão e Performance *

*Atividade com tradutora interprete de libras

Festival É Pela Vida das Mulheres - Cronograma

28 de Setembro – Dia Latino Americano e Caribenho Pela Descriminalização do Aborto

Festival É Pela Vida das Mulheres – Panfleto

 

28 de Setembro Dia Latino Americano e Caribenho Pela Descriminalização do Aborto

Festival É Pela Vida das Mulheres à partir das 11h na Redenção

Panfleto frente e verso

Festival É Pela Vida das Mulheres - PanfletoFestival É Pela Vida das Mulheres - Panfleto

 

 

4ª Reunião Organizativa do Festival É Pela Vida das Mulheres

 

A FrePLA convida:

Reunião de organização do festival É Pela Vida das Mulheres
18 de setembro às 18:30h no Camp – Escola de Cidadania
Porto Alegre

  • Reunião exclusiva para mulheres

4ª Reunião Organizativa do Festival É Pela Vida das Mulheres

28 de setembro – Dia Latino Americano e Caribenho Pela Descriminalização do Aborto

 

3ª Reunião Organizativa do Festival É Pela Vida das Mulheres pelo 28/09

 

3ª Reunião Organizativa do Festival É Pela Vida das Mulheres pelo 28/09

3ª reunião de organização do festival É Pela Vida das Mulheres pelo 28 de Setembro, Dia Latino Americano e Caribenho Pela Descriminalização do Aborto.

04/09 quarta feira às 18:30 no Camp – Escola de Cidadania
em Porto Alegre

  • Reunião exclusiva para mulheres